PSICOTERAPIA EMDR / Como Funciona?



Os sintomas atuais que se manifestam no comportamento de uma pessoa refletem modos inadequados de armazenamento cerebral de memórias referentes a eventos traumáticos do passado. Quando uma pessoa vivencia uma experiência traumatica, parece que esta fica bloqueada no seu sistema nervoso, juntamente com as imagens, emoções e pensamentos negativos a ela associados.

Os estímulos bilaterais utilizados em EMDR parecem desbloquear o sistema nervoso, permitindo que o cérebro reprocesse a experiência dificil e lhe atribua um novo significado que permite a transmutação de emoções e crenças negativas (tais como: “não tenho valor” ou “sou culpada pelo o que aconteceu”) em auto-avaliações positivas (“Eu tenho valor”; “Fiz o melhor que pude”) e consequentemente a adopção de comportamentos mais adaptativos.

O EMDR recria o que acontece naturalmente durante o sono na fase REM (Rapid Eye Movement; período de rápidos movimentos oculares). À semelhança do sono REM, a estimulação bilateral ajuda a processar o material não consciente.

Durante a sessão, o cliente recorda um episódio perturbador do passado enquanto o psicólogo vai realizando a estimulação bilateral, que pode ser visual, auditiva ou táctil conforme o desejado pelo cliente. Na estimulação bilateral visual, o cliente é convidado a acompanhar visualmente a movimentação de um determinado estímulo visual de forma a realizar movimentos oculares horizontais ou diagonais.

A estimulação auditiva consiste em sons que o cliente escuta alternadamente a esquerda e a direita. A estimulação táctil caracteriza-se por pequenos toques alternados dados pelo psicólogo nas costas da mão ou nos joelhos do cliente. A focalização em diferentes aspectos de uma memória perturbadora e a estimulação bilateral (visual, auditiva ou táctil) promove um “dialogo” entre os hemisférios cerebrais e, consequentemente, o reprocessamento da informação (imagens, pensamentos, emoções e sensações) associada a essa recordação, que se torna adaptativa, deixando de ter efeitos perturbadores nas vivencias actuais.

O cliente reavalia a experiência com uma perspectiva mais optimista, conseguindo encarar e planear o seu futuro, de forma positiva.